outubro 04, 2010

Uns minutos, na fila do Supermercado


Uns minutos, na fila da caixa do supermercado,
Poucos minutos, até...
Fizeram-me sentir o quanto eu sou Feliz
As minhas compras, aleatoriamente escolhidas
Sem grande cuidado, quiça sem grande necessidade
(Não eram mais, por mero conforto meu)
Na minha frente, na fila da caixa de supermercado
Uma mãe jovem com seu filho na adolescência
Lindos os dois, mas tristes
Com uma tristeza envergonhada, humilhada
A cada compra que passava na caixa
A mãe perguntava: confira por favor o preço
Será 1,60€ ou 1,75€?
Veja este também, por favor...
As compras daquela mãe eram as mais básicas
Escolhidas com o maior cuidado
Registadas ao cêntimo,
Como se um cêntimo fizesse toda a diferença
E tudo isso me incomodou, me envergonhou
Pressentia o constrangimento da mãe
E a preocupação do filho...
De a conta não ter sido bem feita...
No final, 24 euros e qualquer coisa
"Por favor, pague-se 23,00€ no cartão
Que o resto eu pago em dinheiro"
O resto, 1 euro e qualquer coisa...
Que faltava na sua conta
E que terá falhado nos cálculos
Sinto tristeza por esta realidade existir
E agora cada vez mais frequente e mais perto
É uma realidade que envergonha qualquer um
Mas ao mesmo tempo pode servir
Para qualquer um pensar e reflectir
O quanto somos felizes
Por não termos de fazer contas
Na fila da caixa de um Supermercado.

3 comentários:

JLR disse...

Mais de 20% da população portuguesa vive com menos de 360 Euros por mês. Infelizmente a tendência é a de aumentar esse número, pois o risco de pobreza em Portugal é um dos maiores da Europa.

paulofski disse...

As velhas mercearias de rua que ainda existem já não vendem fiado e cada vez mais se escolhe o que colocar no cestinho de calculadora na mão!

FM disse...

Doi! E muito, mesmo para quem vê... inclusive com vontade de olhar para o lado.
Votos de Luz.

* Obrigado pela visita.